terça-feira, 30 de dezembro de 2014

[RESENHA] Norma Bengell - Autobiografia



Editora: nVersos
Páginas: 366 
Publicação: 2014


No dia 21 de fevereiro de 1935 nascia uma futura estrela do cinema e da televisão. Norma Aparecida Almeida Pinto Guimarães d'Áurea Bengell vivenciou grandes momentos de sucesso e numa obra escrita expressou momentos emocionantes e marcantes de sua vida: momentos históricos ocorridos no Brasil e nos bastidores do mundo das artes.

Sua infância não foi nada fácil. Passou por momentos dolorosos como abortos na família, divórcio dos seus pais e viveu necessidades morando com sua mãe. Trabalhou para ajudar em casa como manequim, mas o seu sonho era ser uma estrela. E conseguiu. Sua primeira aparição no cinema foi aos 24 anos em 1959. Apesar de amar o cinema ela explorou outras áreas como de cantora, teatro, diretora, ou seja, Norma era uma artista de múltiplos talentos. Recebeu a Palma de Ouro no Festival de Cinema em Cannes em 1962. Atuou no cinema internacional e seu sucesso perpetuou.

Norma teve vários amantes. Se casou uma vez com o ator italiano Gabriele Tinti em São Paulo em 1962, mas se separou anos depois. Ficaram oficialmente separados 27 anos. Vários homens passaram em sua vida, mas, mesmo assim, a solidão sempre a perseguiu.

"Minha infância, longe de ter sido o lindo carrossel que doa menina espera, era uma vertiginosa montanha-russa, com muitos altos e baixos. Acho que é por isso que eu tenho estes olhos tristes e esta ruga na testa."

O livro é dividido em oito partes. Em cada uma Norma narra uma época de sua vida, como sua infância e o relacionamento com sua família, o início de sua carreira, a época da sua atuação como militante contra a ditadura militar, o período que foi exilada, a volta para o Brasil e sua adaptação e atuação como diretora. 

A arte, diagramação e fotografia transmitem o cuidado e o carinho que a editora teve para construir uma obra tão recheada de momentos emocionantes, marcantes para vida de Norma. Isso tudo é refletido nas palavras e histórias de o quão grande é a sua importância para o cinema brasileiro. Ela foi ousada ao ponto de ser a primeira atriz a protagonizar o primeiro nu frontal no Brasil no filme "Os cafajestes", em 1962.

"Hoje sei que  sexo por sexo é uma merda, e que paixão e tesão acabam. Tive vários amantes, mas não conseguia parar com nenhum. O que eu buscava era algo que me diziam que não era real, mas eu sabia que existia: o amor."

Depois da morte de sua melhor amiga, Sandra, a vida de atriz começou a declinar. Duas quedas ocasionaram a perda dos movimentos das pernas e em 2013, Norma morreu aos 78 anos por causa de um câncer no pulmão.

A vida de Norma nos mostra seus altos e baixos, o auge do sucesso e as dificuldades. Uma história emocionante e narrada de forma intimista e objetiva. O livro conseguiu me levar para dentro do seu mundo e descobrir mais sobre uma pessoa que não conhecia, mas passei a admirar por ajudar a levar o nome do Brasil para o exterior, agregando para o cinema nacional e para várias outras áreas das artes no país.

Ao terminar essa obra fiquei bastante emocionado. Conheci uma mulher que era rebelde, aparentemente, mas em seu sangue pulsava a justiça e orgulho de seu país. A atriz não abaixou a cabeça nenhuma vez em sua vida. Apesar das derrotas, sempre acreditou que algo de bom viria. Suas vitórias marcaram sua vida e a história do cinema brasileiro. A vida de Norma Bengell é um roteiro completo para um filme, sem nenhuma interrupção.

A parte final do livro tem vários registros fotográficos de momentos marcantes da vida da atriz, situações que ela própria narrou de sua vida. Seguem algumas imagens abaixo:




                                                                    

Onde comprar?

3 comentários:

  1. As imagens são lindas. Mas não conhecia a atriz. Acho legal biografias, mas apenas se pessoas que eu queira saber sabe? Seria legal saber dos meus famosos favoritos. Norma era linda :)
    Abraços Luke,
    ThayQ.

    ResponderExcluir
  2. Oii Luke :D
    Sabe, eu realmente não me interesso por autobiografias, a unica que li até hoje foi do Sidney Sheldon, e mesmo sendo meu autor favorito eu não gostei ..
    Bem, o que mais me chamou atenção no livro foram as imagens que são maravilhosas, eu gosto bastante de livro ilustrados!!
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir