terça-feira, 30 de dezembro de 2014

[RESENHA] Norma Bengell - Autobiografia



Editora: nVersos
Páginas: 366 
Publicação: 2014


No dia 21 de fevereiro de 1935 nascia uma futura estrela do cinema e da televisão. Norma Aparecida Almeida Pinto Guimarães d'Áurea Bengell vivenciou grandes momentos de sucesso e numa obra escrita expressou momentos emocionantes e marcantes de sua vida: momentos históricos ocorridos no Brasil e nos bastidores do mundo das artes.

Sua infância não foi nada fácil. Passou por momentos dolorosos como abortos na família, divórcio dos seus pais e viveu necessidades morando com sua mãe. Trabalhou para ajudar em casa como manequim, mas o seu sonho era ser uma estrela. E conseguiu. Sua primeira aparição no cinema foi aos 24 anos em 1959. Apesar de amar o cinema ela explorou outras áreas como de cantora, teatro, diretora, ou seja, Norma era uma artista de múltiplos talentos. Recebeu a Palma de Ouro no Festival de Cinema em Cannes em 1962. Atuou no cinema internacional e seu sucesso perpetuou.

Norma teve vários amantes. Se casou uma vez com o ator italiano Gabriele Tinti em São Paulo em 1962, mas se separou anos depois. Ficaram oficialmente separados 27 anos. Vários homens passaram em sua vida, mas, mesmo assim, a solidão sempre a perseguiu.

"Minha infância, longe de ter sido o lindo carrossel que doa menina espera, era uma vertiginosa montanha-russa, com muitos altos e baixos. Acho que é por isso que eu tenho estes olhos tristes e esta ruga na testa."

O livro é dividido em oito partes. Em cada uma Norma narra uma época de sua vida, como sua infância e o relacionamento com sua família, o início de sua carreira, a época da sua atuação como militante contra a ditadura militar, o período que foi exilada, a volta para o Brasil e sua adaptação e atuação como diretora. 

A arte, diagramação e fotografia transmitem o cuidado e o carinho que a editora teve para construir uma obra tão recheada de momentos emocionantes, marcantes para vida de Norma. Isso tudo é refletido nas palavras e histórias de o quão grande é a sua importância para o cinema brasileiro. Ela foi ousada ao ponto de ser a primeira atriz a protagonizar o primeiro nu frontal no Brasil no filme "Os cafajestes", em 1962.

"Hoje sei que  sexo por sexo é uma merda, e que paixão e tesão acabam. Tive vários amantes, mas não conseguia parar com nenhum. O que eu buscava era algo que me diziam que não era real, mas eu sabia que existia: o amor."

Depois da morte de sua melhor amiga, Sandra, a vida de atriz começou a declinar. Duas quedas ocasionaram a perda dos movimentos das pernas e em 2013, Norma morreu aos 78 anos por causa de um câncer no pulmão.

A vida de Norma nos mostra seus altos e baixos, o auge do sucesso e as dificuldades. Uma história emocionante e narrada de forma intimista e objetiva. O livro conseguiu me levar para dentro do seu mundo e descobrir mais sobre uma pessoa que não conhecia, mas passei a admirar por ajudar a levar o nome do Brasil para o exterior, agregando para o cinema nacional e para várias outras áreas das artes no país.

Ao terminar essa obra fiquei bastante emocionado. Conheci uma mulher que era rebelde, aparentemente, mas em seu sangue pulsava a justiça e orgulho de seu país. A atriz não abaixou a cabeça nenhuma vez em sua vida. Apesar das derrotas, sempre acreditou que algo de bom viria. Suas vitórias marcaram sua vida e a história do cinema brasileiro. A vida de Norma Bengell é um roteiro completo para um filme, sem nenhuma interrupção.

A parte final do livro tem vários registros fotográficos de momentos marcantes da vida da atriz, situações que ela própria narrou de sua vida. Seguem algumas imagens abaixo:




                                                                    

Onde comprar?

3 comentários:

  1. As imagens são lindas. Mas não conhecia a atriz. Acho legal biografias, mas apenas se pessoas que eu queira saber sabe? Seria legal saber dos meus famosos favoritos. Norma era linda :)
    Abraços Luke,
    ThayQ.

    ResponderExcluir
  2. Oii Luke :D
    Sabe, eu realmente não me interesso por autobiografias, a unica que li até hoje foi do Sidney Sheldon, e mesmo sendo meu autor favorito eu não gostei ..
    Bem, o que mais me chamou atenção no livro foram as imagens que são maravilhosas, eu gosto bastante de livro ilustrados!!
    Beijos

    ResponderExcluir