quarta-feira, 4 de março de 2015

[RESENHA] O Pequeno Príncipe de Antoine de Sant- Exupéry



Editora:  Geração Editorial
Páginas: 160
Publicação: 2015


Sou parte do time que nunca tinha lido o tão famoso clássico “O Pequeno Príncipe”. Não foi por birra e nem por preconceito, mais por falta de oportunidade mesmo. Via as pessoas compartilhando trechos da obra e não via nenhum efeito como elas elogiavam e fascinavam com partes da história. E quando li, senti esses efeitos? Absolutamente que sim! É mágico!
            
Para quem é do time dos “nunca li”, o clássico conta a história de um piloto que cai com seu avião no deserto da África. Em meio calor e o “nada”, surge um menino com os cabelos cor de trigo e com trajes reais. O que poderia ser algo surreal torna-se um convívio que mudará tanto a vida do autor e como a de quem está lendo. Uma conversa sobre o mundo do Pequeno Príncipe, será uma chave para imaginação voar, sentir a realidade soprando no rosto e a fantasia abraçando.
            
A obra é tão profunda, densa e concreta que o autor trabalha bem entre o que é fantasia e o que pode resgatar totalmente para o mundo real. O que pode ser aproveitado para os dias de hoje. O que de primeira impressão pode ser um livro infantil vazio, ele muda seu conceito nas primeiras páginas. Com uma narrativa simples, porém concisa. Metáforas são usadas e conseguimos ver claramente como na nossa vida elas acontecem e porque disso.

"... É muito simples: só se vê com o coração. O essencial é invisível aos olhos."
            
Em uma parte do livro, O garoto com os cabelos loiros narra suas viagens após sair do seu planeta. Ele encontra um bêbado decepcionado consigo mesmo, um homem atarefado sem tempo para si, um homem que anseia por elogios e um rei que tem prazer em mandar. O que isso tem a ver com os dias de hoje? TUDO! O que foi escrito há anos atrás, faz uma referência gritante para com tudo ao nosso redor. Achei fabuloso!
            
Quando comecei a leitura já imaginei algumas coisas. Esse livro é uma fantasia, não é? Mas ele tem um pé na realidade e com isso fiquei imaginando quem é o piloto (o livro é narrado em primeira pessoa). É o autor que sempre teve no seu coração a vontade de escrever sobre essa história? É ele voltando ao seu “eu” interior em forma de criança? Foi o acidente que ele sofreu e que usou como plot para a história? Foram inúmeras confabulações com o Marcos e uma amiga da faculdade. Essa amiga mesmo me avisou que: Lucas, toda vez que você lê esse livro, tem uma ideia diferente de quem é o personagem. Não é fantástico?!
            
Estão percebendo minha animação por falar dele? Pois é, ele entrou na lista de livro de “Como não tinha lido antes”. Quotes que parei para refletir e que traz tanta essência. Alguns momentos senti certa melancolia, com o andar que o personagem narrava.

"Você se torna responsável por aquilo que cativa"
            
A edição de luxo que a Geração publicou é estupenda. Capa dura, com detalhes dourados e uma tonalidade antiga, as folhas coloridas e os inícios dos capítulos em destaque, os desenhos para agregar à narrativa, diagramação excelente. Um livro que foi bem produzido e se vê claramente o carinho ao ser feito. Confira algumas fotos abaixo:


Após a história há uma breve biografia do autor. Antoine de Saint-Exupéry nasceu em 1912 e sempre teve em seu coração a vontade de pilotar aviões. Após fazer faculdade, trabalhar como mecânico na Força Áerea da França, com usa ousadia entrou em um avião e pilotou sem ter nenhuma autorização ou experiência. Ele já foi casado e foi autor de vários outros livros, mas “O Pequeno Príncipe” foi o que mais se destacou e foi lançado em 6 de abril de 1943, em plena Segunda Guerra Mundial. Foi no dia 31 de julho que ele deu seu último voo. Seu avião foi atacado por um piloto que pensou que o avião de Antoine era inimigo. “O Pequeno Príncipe” é o terceiro livro mais traduzido do mundo. Só fica atrás da Bíblia e Alcorão, no total são quase 250 versões e é considerada a obra mais famosa da literatura 
francesa.
 
"Todos os adultos um dia foram crianças. (Porém, raros se lembram disso.)"                                      
 Onde comprar?


5 comentários:

  1. Oi Luke, li há muitos anos e até hoje é um dos meu preferidos. Meu exemplar está tão velhinho, quero ver se compro esta edição que está linda.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!

      Essa edição está linda. A editora caprichou e é nítido que foi feito com carinho pela capa dura, muitos desenhos e várias páginas coloridas. Compre, você não vai se arrepender.

      Abraço5

      Excluir
  2. Que perfeição *0*
    Li o livro com a edição normal mesmo mas olha, esse tá de parabéns!
    Abs

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir