segunda-feira, 13 de abril de 2015

[MINIRRESENHA] Anjos da Morte (Filhos do Éden #2) de Eduardo Spohr



Editora: Verus
Páginas: 586
Publicação: 2013

Resenha de Herdeiros de Atlântida (Filhos do Éden #1)

Denyel é um dos anjos querubins exilados que permaneceram na Terra com o intuito de observar o comportamento humano. Para tal, ele participou do esquadrão dos anjos da morte, que, se disfarçando de soldados do exército, esteve presente em diversas guerras e conflitos da humanidade, desde a Segunda Guerra Mundial, na invasão das tropas aliadas à Europa, até queda do Muro de Berlim. Convivendo com humanos, ele acabou por absorver toda a malícia e uma série de sentimentos ruins que acabaram por formar a sua personalidade.

Em Anjos da Morte conheceremos o passado de Denyel e como sua jornada o tornou quem é atualmente. Em paralelo teremos, já no tempo presente, Kaira e Urakin, anjos que estão em busca de Denyel, por conta da história contada no primeiro livro da série.

A leitura desse livro foi muito empolgante e interessante, porém ela é lenta. A temática  de gueras sempre me interessou e por isso mesmo a história desse segundo livro era esperada por mim com muita expectativa. O enredo é muito bom. Conhecer o passado de Denyel foi incrível e o autor conseguiu moldar bem as características que o personagem tem. Porém a narrativa explicativa demais em alguns momentos tornou a leitura enfadonha em alguns pontos. Entendo que, por se tratar basicamente de uma ficção história um embasamento prévio deva ser feito para situar o leitor, porém, como o livro aborda um recorte histórico amplo, essas explicações foram muitas e muito longas.

No mais é um excelente livro, brilhante como os outros dois do autor, e uma boa continuação da história de Herdeiros de Atlântida. Agora é esperar pelo terceiro e último livro dessa trilogia que deve sair ainda esse semestre.

                                                                     

Onde comprar?

2 comentários:

  1. Olá!
    Eu achei interessante a temática envolvendo um pouco a questão das guerras. Uma pena que o autor tenha pecado no "excesso de didatismo", se é que posso chamar assim.
    Já conhecia o primeiro livro e, apesar de não ter lido, gostei da premissa desse segundo.
    Abraço!
    http://ymaia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Tirando esta parte da narrativa mais lenta, acho que o enredo é muito interessante, e assim que a série estiver completa, vou querer ler.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir