quinta-feira, 9 de abril de 2015

[RESENHA] Machado de Assis do Folhetim ao livro de Ana Cláudia Suriani



Editora: nVersos
Páginas: 288
Publicação: 2015


Em sua obra, Ana Cláudia Suriani embarca em uma profunda pesquisa sobre as obras de Joaquim Maria Machado de Assis, mais conhecido como Machado de Assis. Um dos maiores autores renomados da literatura brasileira, também ganhou seu espaço no exterior. Antes de ter seus livros publicados, suas histórias eram publicadas em folhetins de jornais.

Esse livro cita algumas obras do autor, mas há uma desconstrução minuciosa na obra “Quincas Borba” – o que foi o último a ser publicado dessa forma, que originalmente foi publicada entre 1886 e 1891 na revista A Estação, no caderno de moda e entretenimento. Essa desconstrução é dividida em 7 capítulos e cada um abordando determinado ponto relevante tanto na obra como no próprio autor. Esses capítulos são desenvolvidos dissecando como o livro era publicado nos folhetins (linguagem, divisão de capítulos, etc) e nos livros. 

A autora expôs de maneira bem nítida essa diferença entre um e outro, através do público diferenciado para os folhetins e com os livros. A pesquisa é tão bem trabalhada que são explorados as vestimentas dos personagens, diálogos, o tipo de linguagem diferente para o folhetim e o livro, a perspectiva de Machado para com as obras nas revistas como nos livros.

Este livro não tem uma linguagem tão fácil. Tive algumas dificuldades, mas no virar das páginas consegui me acostumar e a compreender a escrita da autora. Vale lembrar que este livro é o resultado de uma pesquisa de doutorado, o que é de grande valia e perceptível como Ana Cláudia pesquisou de forma excepcional tudo relacionado ao tema escolhido.

Tenho que confessar que quando esse livro chegou não tive muito interesse para ler. Porém, dei uma chance e me desafiei a sair da zona de conforto. Valeu muito a pena essa leitura, soube mais sobre o autor, a forma como era publicada e como essa transição (folhetim e livro) teve suas diferenças e fez com que Machado crescesse mais.

O projeto gráfico da editora foi realizado de maneira cuidadosa e bem trabalhada. A capa em preto e branco com a foto do autor remetendo aos tempos passados e o título com fontes modernas realçou e fez com que ficasse chamativa. No livro contém desenhos que na época dos folhetins foram publicados e as separações dos capítulos construída de maneira moderna. Confira algumas fotos abaixo:



Livro super recomendado para os fãs do autor, vale a pena ter uma obra tão detalhada em sua estante. Para quem nunca leu nada sobre o autor, também recomendo, pois é uma oportunidade de conhecer a sua escrita e a forma que ele tinha para contar suas histórias, que expandiu para Europa afora.
                                                                     

Onde comprar?

3 comentários:

  1. Olá!
    Que eu me lembre, o único livro que eu li do Machado foi "Memórias Póstumas de Brás Cubas". Tenho "Dom Casmurro" esperando na estante.
    Apesar da linguagem difícil, acho importante que as pessoas conheçam as obras desses autores que são ícones da nossa literatura.
    Parabéns a essa autora, que se dispôs a realizar pesquisas para o doutorado, levando isso aos leitores por meio de um livro.

    http://ymaia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Hey Ygo!

    Também acho importante as pessoas terem algum contato com esses autores. Confesso que não li nada dele, mas espero futuramente ler. Achei a ideia da autora sensacional, até mesmo pelo recorte que escolheu para fazer a tese.

    Abraço5

    ResponderExcluir
  3. Muito obrigado pelo elogio ao projeto gráfico :)

    ResponderExcluir