segunda-feira, 9 de novembro de 2015

[RESENHA] Vinte mil pedras no caminho de Fabian Penny com Jorge Tarquini

 
Editora: Geração Editorial
Páginas: 376
Publicação: 2015


Fabian é filho de pais divorciados e nasceu num lar de classe média. Desde pequeno teve uma personalidade forte, seu instinto de líder era natural, consequentemente com um dom de liderança e manipulação. Ele foi uma criança prematura em tudo, por exemplo, teve sua primeira experiência sexual aos 8 anos, bebeu e fumou pela primeira vez com 13 anos. O contato com a maconha foi com 16, por influência de más amizades. Ele viveu tanto com a mãe quanto com o pai (com o pai foi um ano). Sua mãe era ausente, ela e o padrasto eram umbandistas e várias vezes ele viu sua mãe receber entidades e ela o levava para fazer despacho. Com seu pai as coisas eram mais tranquilas. Seu pai era mais participativo e sua madrasta sempre o tratava bem.

O contato com a maconha ocasionou gradativamente o contato com outras drogas como cocaína e o crack. Sua vida com boas condições financeiras foi se esvaindo ao ponto de ir morar na rua, ficar um ano sem tomar banho e sem escovar dentes. Foi internado vinte e cinco vezes, até que na última foi a sua salvação de sair do abismo em que estava. Sua fissura pelo crack o afastou de sua família e de tudo que conquistou. Ele chegou a morar nos Estados Unidos, fez o curso e tirou o documento para pilotar avião, mas não seguiu carreira.
Em nenhum momento na sua adolescência seus pais sentaram para conversar sobre drogas e seus efeitos. Fabian sempre teve tudo que quis, mas isso não o impediu de conhecer um outro mundo de azaração, drogas e sexo.


Por isso assumo: o negócio era a luta contra mim mesmo. Eu era o meu maior inimigo. Por mais que tentasse, era um adversário contra o qual eu não podia... Nesse sentido, todos os drogados são iguais: a gente vai se envolvendo sem entender no que está se metendo. Pág. 268


Analisando tudo na vida de Fabian era nítido um vazio em seu coração. Ele teve tudo de bandeja, mas algo faltava e nem ele mesmo soube identificar o que era. O crack o abraçou e fez com que se afundasse mais e mais. Sem nenhuma chance de rendição ou de um novo começo, foram preciso vinte e cinco internações em centros de reabilitação para desperta-lo e mostrar o quão fundo ele chegou. De acordo com suas contas ele fumou doze quilos de maconha, dez quilos de cocaína, vinte mil pedras de crack, duzentos e cinquenta LSDs e muitos litros de lança-perfume.

A escrita do livro é detalhada e há diálogos, o que ajuda na compreensão e na construção mental dos fatos que são narrados. Fatos pesados e de grande reflexão. Há fotos de Fabian de vários momentos de sua vida e família.


 Dependente químico se posiciona de forma a não aceitar as pessoas, quer mudá-las, se revolta com coisas sem sentido. E faz o que for necessário pra atingir seus objetivos. Manipulador, não consegue fazer nada num nível normal: é oito ou oitenta, tudo ou nada. Compulsivo, faz mil coisas ao mesmo tempo, mas tudo pela metade. Nunca termina nada do que começa. Pág. 324


Fabian é uma parte do reflexo da nossa sociedade. Há outros Fabians que estão na mesma situação nos dias atuais. Pessoas que não necessariamente precisou nascer na periferia para entrar nesse mundo sombrio, pessoas com um berço privilegiado, que decidiu se aventurar no mundo das drogas. Tantos homens, mulheres e crianças sem forças e somente pensam 24 horas por droga e como vai conseguir dinheiro para comprar.

Um livro muito bem escrito, instigante e cada capítulo nos faz refletir em nossa própria vida e nas pessoas ao redor. Acho que todos nós conhecemos alguém que já entrou nesse mundo tão perigoso, algumas histórias acabaram mal e outras bem. A de Fabian acabou bem, ele hoje criou uma clínica de reabilitação de dependentes químicos, faz palestras e seminários e já foi no programa da Fátima Bernardes para falar sobre o assunto. Como título de curiosidade, o jornalista que escreveu a história de Fabian, Jorge Tarquini também é autor do livro “O doce veneno do escorpião”, da ex garota de programa Bruna Surfistinha.
 
                                                                     

Onde comprar?

Nenhum comentário:

Postar um comentário