sábado, 30 de janeiro de 2016

[RESENHA] A Sereia, de Kiera Cass


Editora: Seguinte
Páginas: 368
Publicação: 2016


Após ser salva de um naufrágio, Kahlen teve a opção de morrer ou se transformar em uma sereia, no intuito de servir a Água. Se ela escolhesse a segunda opção viveria cem anos e seu trabalho seria cantar, pois sua voz é fatal ao atrair as pessoas para o mar, mata-las e alimentar a Água. Ela se transformou em uma Sereia fiel e uma das preferidas da Água. Porém, após oitenta anos algo novo acontece em sua vida. Ela conhece Akinli, um rapaz estudioso e comum. No entanto, ela não pode se apaixonar, é uma regra da Água: sem mães e sem esposas. Ela nunca desobedeceu a água, mas o que está dentro do seu coração é mais forte. A desobediência poderá levar a sua morte, mas sem o amor a morte será sua melhor saída.

Antes de começar a leitura de “A Sereia”, esperava um livro despretensioso e leve, do mesmo estilo da trilogia A Seleção. Realmente foi o que tinha esperado, mas um pouco mais. Consegui me envolver e principalmente absorver lições que para alguns podem passar de forma trivial.

Kahlen é uma jovem que passou por uma situação muito difícil: ver a morte de seus pais, escolher viver como sereia e servir a Água. Sua personalidade depois de oitenta anos é de lealdade, obediência, protetora para com as outras sereias, ou seja, um exemplo que toda sereia deveria seguir. Ela ama estudar e odeia exercer sua função de cantar para atrair as pessoas para matar. Após conhecer Akinli, seu coração bate mais forte. Ele é um rapaz que a viu como ela é. Kahlen não pode falar, pois sua voz é fatal, então Akinli não se preocupou com seu silêncio. Os dois começam uma relação que aos poucos vai ganhando consistência.
No começo da obra, Kiera Cass escreveu uma carta exclusivamente para os fãs brasileiros. Ela tem um carinho muito especial com o Brasil, por ter um público muito empolgado e animado. Para título de curiosidade, a capa de “A Sereia”, foi tirada na Bahia. A autora também conta nessa carta que essa história é uma releitura moderna do mito grego das sereias. Belas mulheres que cantavam à beira dos oceanos e os marinheiros se apaixonavam, desviam o navio de seu trajeto e batiam nos rochedos e morriam. 


"As pessoas que ela atraía ficavam fascinadas com as mesmas coisas que fascinavam o mundo: nossa pele brilhante, olhos sonhadores e um ar misterioso. Mas esse garoto? Parecia enxergar mais do que isso. Me enxergava não só como uma beleza misteriosa, mas como uma garota que ele queria conhecer."


A trama é narrada em primeira pessoa pela protagonista Kahlen, e através dela acompanhamos todos os caminhos que uma sereia faz: captar outras sereias para Água, cantar para matar as pessoas, ver a transição de sereia para humana, entre outros. Kahlen tem quatro amigas: Miaka, a artista; Elizabeth, a empolgada que ama balada; Aisling, a que prefere viver isolada e Padma, uma nova sereia que teve uma vida muito sofrida. Entre elas há um elo muito forte de amor, amizade e cuidado. Elas têm uma importância para a história.

A Àgua foi personificada, ela é um ser como uma mãe para todas as sereias. Porém, esse sentimento de cuidado e amor é contraposto com a obrigação das sereias de matar outras pessoas. Apesar delas serem seres fortes e indestrutíveis, há uma parte humana muito forte que a fazem se sentir péssimas ao matar outras pessoas. As regras e correções da Água são incisivas, o que demonstra que esse amor de possessividade. Mas a relação de Kahlen com a Água é rodeado de amor também. Apesar de se sentir mal em matar e o modo da Água ditar a sua vida, há um amor ali envolvido.


"Os casais eram como sereias: criavam a própria língua, os próprios sinais e os próprios mundos."


A construção dos personagens foi bem construída, sendo que cada um tem sua personalidade marcante. A pureza deles é algo que me chamou atenção, a busca de ser solidário e generoso. O que mostrou ser um Young Adult com uma pitada de fantasia muito gosto de se ler. Me senti em casa assistindo sessão da tarde.

Esse foi o primeiro livro que Kiera Cass, publicou em 2009, de forma independente em versão digital. Após ter lançado a trilogia “A Seleção”, decidiu então republicar o seu primeiro trabalho, mas com modificações. A escrita de Kiera Cass há uma personalidade muito marcante, pois percebi alguns toques como senti na trilogia “A Seleção”. Uma escrita envolvente e personagens com sentimentos fortes.


"É como se você tivesse três vidas: uma que você não faz ideia de como viver; uma em que você tem mais poder do que qualquer um capaz de imaginar; e outra em que você tem um verdadeiro senso de identidade e a capacidade de ir atrás do que quiser."


Para quem é fã de Young Adult e fantasia, “A Sereia” é uma ótima indicação. Uma história leve, mas consegue envolver o leitor do começo ao fim. Uma trama que nos mostra que o amor é algo poderoso, capaz de ultrapassar obstáculos. Em que o sacrifício também é necessário para querer o bem do outro. Uma história que foi escrita com esmero e conseguiu me conquistar e mergulhar para saber mais sobre as histórias das sereias.
 
                                                                     

Onde comprar?

3 comentários:

  1. Oi Luke, tudo bem?
    Desde que li a sinopse do livro, estou louca para ler. Mas a sua foi a primeira resenha que li. E adorei.
    Adoro A Seleção, a escrita da Kiera é incrível. e me surpreendeu esse amor dela pelos fãs brasileiros, achei bem interessante ela colocar uma carta para nós *-*.
    E claro que eu não podia deixar de falar nessa capa, que é maravilhosa. Beijos e desculpa o sumiço daqui :/
    Lost Words

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hey! Essa história é linda e você vai se apaixonar. Obrigado pela presença de você por aqui =D

      Abraço5

      Excluir
  2. Quando eu vi essa capa amei, mas não sabia que tinha sido tirada na Bahia, muito menos no Brasil. Eu gostei da trilogia "A Seleção" e falar que "A Sereia", despertou ainda mais minha vontade de ler ele. Amei sua resenha, super bem feita!
    www.sejaamavel.blogspot.com.br

    ResponderExcluir