quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

[RESENHA] Espada de Vidro (A Rainha Vermelha #2) de Victoria Aveyard

 


Editora: Seguinte
Páginas: 496
Publicação: 2016

Resenhas de:

 A Rainha Vermelha #1
 Coroa Cruel #1.5

Contém Spoilers de A Rainha Vermelha

 
Mare Barrow, a garota elétrica, e Cal, o príncipe acusado de matar seu próprio pai fogem juntos após uma luta acirrada contra outros prateados. Eles tiveram ajuda da Guarda Escarlate, uma organização contra o totalitarismo do reinado prateado. Esse meio tempo é apenas um começo do que está por vir. Agora eles terão que pensar o que vão fazer, já que estão com a lista de sanguenovos, que Julian, tio de Cal, pesquisou e chegou ao resultado que há outras pessoas com poderes como Mare. A garota elétrica nunca pensou que recrutar seria tão trabalhoso e que teria muitas pessoas se levantando contra o seu objetivo. Ela terá que saber lidar com pessoa que não conhece, e sabe que não pode confiar em ninguém, pois a pessoa que ela menos esperava a traiu. Sua sede de vingança não foi apagada e está longe de ser. Porém, ela terá que tomar cuidado para não subir ao mesmo nível dos seus inimigos, de se tornar o mesmo que ela está lutando.


Essa resenha será uma daquelas que será difícil de colocar em palavras o que senti após ler A Espada de Vidro. Sim, eu já esperava uma história eletrizante, mas a cada momento algo me surpreendia e conseguia me fazer refletir com relação a esse mundo tão admirável e sombrio ao mesmo tempo.

Após dois meses que Mare saiu da sua casa em Palafitas e descobriu que tinha um poder tão poderoso como a dos prateados, nunca pensou que passaria com o que ela vivenciou no Ossário, uma luta sanguinária, uma luta pela sobrevivência. Assim que recebeu ajuda da Guarda Escarlate seus objetivos começam a se fortificar, a ganhar uma nova visão, uma sede de vingança e de luta. A lista de Julian de sanguenovos será o primeiro passo para conquistar a vitória contra o príncipe Maven e a rainha Elara. Ela terá aliados e aos poucos vai descobrindo que eles são imprescindíveis para cumprir sua missão.



"E temos uma aliança - instável, forjada em sangue e traição. Estamos conectados, unidos contra Maven, contra todos que nos enganaram, contra o mundo prestes a se despedaçar."

Mare está mais madura. Ela amadureceu após ter saído de casa, mas agora seu amadurecimento está acompanhado por uma frieza. Suas atitudes, suas escolhas, suas palavras estão em torno de alcançar o maior número de pessoas que têm poderes especiais quanto ela. Com isso, é brotado um espírito de liderança, mesmo que ela se sinta que não é uma líder. Cal, o príncipe exilado, também está do seu lado para ajudá-la, mas a incógnita é saber se ele será capaz de lutar contra os seus após conseguirem reunir todos os sanguenovos.


Logo me lembrei, quando mencionaram o recrutamento e forma que seria, dos X-men. A forma que foi desenvolvida essa parte e de tudo que ela se acarretou, o professor Xavier faria o mesmo (rs). Aqui, começamos a descobrir outros personagens que irão agregar a trama e serão pontos fortes para vários momentos em que eles passarão.
O foco da história é uma linha de objetivos e estratégias que Mare e seus aliados começarão a traçar. O romance é quase inexistente, e a ação e o planejamento são os que se sobressaem na história.



"Sou uma arma feita de carne, uma espada coberta de pele. Nasci para matar um rei, para acabar com um reino de terror antes mesmo de começar pra valer. Fogo e eletricidade elevaram Maven, e fogo e eletricidade vão derrubá-lo."

Victoria continua com sua escrita envolvente e eletrizante. Ela é capaz de nos levar em momentos da trama e nos fazer sentir as emoções que os personagens estão sentindo. Conseguimos identificar com os personagens e suas histórias e fazer aquela lista dos que mais amamos. Há momentos de calmaria e ação, o que foi trabalhado de forma moderada para compreendermos mais sobre os planos de Mare e mais sobre o mundo em que ela criou, pois neste volume, consegui mergulhar nesse mundo de superpoderes.


Algo que senti falta foi de recapitulações em alguns momentos que ela cita circunstâncias do primeiro livro. Para vocês entenderem o que estou falando, vou colocar a série Bloodlines, de Richelle Mead. Mead consegue a cada livro nos trazer um resumo ágil e rápido de tudo que aconteceu no livro anterior. Em Espada de Vidro, senti falta de algo assim, pois como há espaço de tempo considerável, a autora poderia ter nos lembrado de forma sucinta algumas situações.

Para quem gostou de “A Rainha Vermelha”, pode aguardar momentos empolgantes em “Espada de Vidro”. Personagens maduros – alguns nem tanto-, novos personagens para acrescentar na história. Mare está mais madura e desconfiada, o que torna uma personagem reflexiva e realista. Uma leitura divertida, em que consegui me envolver com os personagens, a história e a escrita. Victoria mais uma vez me mostrou que sua série poderá ser uma excelente adaptação cinematográfica. A previsão de "Espada de Vidro" é para dia 12 de fevereiro.

 
                                                                     

Onde comprar?

Um comentário:

  1. Olá Luke! Comecei ontem a ler este livro na versão inglesa! Para já estou a gostar embora ache que os primeiros capítulos estejam a ser um bocado parados. Boas leituras e bom trabalho no blog!

    ResponderExcluir