quinta-feira, 14 de julho de 2016

[RESENHA] Silêncio de Richelle Mead


Editora: Galera Record
Páginas: 280
Publicação: 2016

Fei faz parte de um povoado no pico de uma montanha dividida em castas, são elas: artistas, mineradores e fornecedores. Todos nesse lugar são mudos e surdos. Os mineradores trabalham exaustivamente para conseguir minério para ser enviado em uma tirolesa a um lugar onde eles não sabem onde é. Os artistas são responsáveis para noticiar tudo que acontecem no povoado através das pinturas.

Algum tempo algumas pessoas tem perdido a visão sem nenhuma explicação, e uma delas é uma pessoa amada por Fei. Li Wei um amigo de muito tempo a propõe em descer a montanha e buscar uma solução para a falta de minério, no intuito de conseguir mais comida, pois o suprimento está escasso. Os dois decidem em fazer disso uma missão. Eles descobrirão coisas jamais imaginadas e o sentimento contido antigamente entre eles será desabrochado pouco a pouco. Fei e Li Wei com o único objetivo de melhorar a vida do seu povo, serão a chave para uma nova mudança.

Já tive contato com a escrita de Richelle através das séries Academia de Vampiro e Bloodlines. Ela conseguiu me cativar, pois sempre trouxe personagens femininas fortes e sem a essência de dramas desnecessários. Estava receoso para com este livro, pois vi muitas pessoas criticando. No entanto, ao começar a leitura minha opinião foi totalmente contrária dessas pessoas.

Fei é uma garota corajosa e leal às pessoas que ela ama. Apesar de ser submissa aos seus líderes, sempre achou injusta a divisão da sociedade em que habita. Com a vontade de buscar a solução de tudo que ali está passando como a falta de alimento, pessoas começando a ficar cegas e pessoas trabalhando exaustivamente, ela então decide junto com Li Wei, um rapaz bonito, corajoso e com o mesmo sangue revolucionário que Fei. Juntos farão uma jornada pelo desconhecido, com a esperança de voltar com a provisão para as pessoas.

A história narrada pelo ponto de vista de Fei, trouxe algo intimista e revelador para quem está acompanhando sua trajetória. Com o gênero distópico e um plano de fundo de mitologia chinesa, o mundo ali mostrado é inovador e instigante.

Richelle Mead é famosa por construir personagens fortes e destemidos, nesta obra ela continua com esta linha, o que me agradou muito. Este é o primeiro livro único dela, o que é para desconfiar com o receio de ficar pontas soltas e pensar numa continuação, porém aqui cada ponta solta é amarrada e nenhuma dúvida é pairada no ar. Ela soube trabalhar os personagens, os conflitos, as histórias do passado e seus desfechos.

A sua escrita continua envolvente e fluida. No momento que iniciei não quis parar, pois ela consegue prender e transpor o leitor para dentro da trama. Acho fascinante a forma de narrar de Richelle como se a personagem estivesse do nosso lado expondo todos os fatos, sem deixar nenhum furo.


Para quem é fã de mitologia chinesa e distopia, este livro é mais do que recomendado. Além desses elementos, há um romance construído de forma leve e uma aventura de tirar o fôlego.
                                                                     

Onde comprar?

2 comentários:

  1. Eu SURTEI quando vi esse livro, tô DOIDA pra comprar!! Finalmente algum livro young adult falando sobre cultura chinesa 💛💛💛

    www.literaturaliteral.wix.com/litblog

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Julia!

      Eu gosto bastante da forma que ela inseriu mitologia chinesa com linha distópica.

      Abraço5

      Excluir