terça-feira, 9 de agosto de 2016

[RESENHA DUPLA] Mr. Mercedes (Bill Hodges #1) de Stephen King



Editora: Suma de Letras
Páginas: 398
Publicação: 2016

Olá, leitores!

Hoje eu e o Luke vamos fazer mais uma resenha dupla aqui no Capa. Aliás, resenharemos toda essa trilogia do King nesse formato. Então, para vocês não ficarem confusos, os meus comentários ficarão em azul e os do Luke em verde. ;)

É madrugada em uma agência de empregos em uma cidade do Meio-Oeste, várias pessoas já estão na fila, apreensivos para conseguir algum emprego. Repentinamente um carro avança para aquelas pessoas. Um Mercedes atropela vários inocentes, e com a ajuda da neblina ninguém identificou o responsável. Oito pessoas morreram e várias ficaram feridas.Meses depois do ocorrido, o detetive Bill Hodges está aposentado, mas ainda não conseguiu engolir não ter prendido o responsável do crime. Por sentir tão essa culpa, o desânimo é seu companheiro de várias tardes em frente a TV assistindo programas no estilo Ratinho. Até mesmo o suicídio é uma das opções futuras para ele. 

Bill é um policial aposentado que não vê mais muito sentido na vida. Ele se sente um peso inútil para a sociedade, uma vez que não tem como prestar mais os seus serviços no mesmo vigor que nos tempos de juventude. Porém, ao ser noticiado da tragédia que as pessoas da agência de emprego passaram, ele receberá uma carta do assassino pedindo para que ele investigue o caso, em tom de ameaça. Logo ele desperta de todo o estado de desânimo em que estava e parte pra investigação.

Porém, ao receber uma carta de alguém que autodomina Assassino do Mercedes, o detetive ganha um novo propósito para viver. Ele assume a missão de encontrar o assassino.Brady Hartsfield mora com a mãe alcoólatra. Ele teve prazer, satisfação, excitação e um sentimento inebriante de estar sob o volante e ser responsável de matar e ferir pessoas. Agora ele está em uma nova missão, não tão grande como a inicial, mas seus planos estão firmes, e sua frieza, sede de matar e provocar serão a motivação de ir até o final.

Este é o segundo contato que tenho com a escrita de Stephen King. Minha experiência com Revival não foi agradável, mas arrisquei em ler mais um para testar meu feeling com o autor. Mr. Mercedes me arrebatou desde a primeira página e me fez ficar fissurado em cada situação descrita por King. Dessa vez foi uma experiência excepcional, caindo por terra então aquela leve cisma com a escrita do autor.

Eu já li vários livros do King mas, mesmo ele sendo o rei do terror e do suspense, apenas há pouco comecei a me aventurar em livros dele desses gêneros, tento eu lendo mais livros com viés de drama e de ficção científica. Tive a mesma opinião que o Luke quanto a Revival, mas com Mr. Mercedes o autor veio para mostrar o motivo de ter a fama que tem. O livro é sensacional, não consegui largar durante boa parte da leitura, fazendo isso somente uma vez até o final.

Bill Hodges recentemente se aposentou. Ele se inclui no grupo de ex-policiais que quando entregam o distintivo e ficam um tempo sem exercer a antiga função, surtos e até mesmo a ideia de tirar a própria vida vem a cabeça. Porém, ele não sabia que um dos antigos casos que ele não conseguiu concluir, o responsável de matar várias pessoas tem vigiado um pouco sua vida e visto Bill desanimado. O bandido que matou dezenas de pessoas dirigindo um Mercedes é Brady Hartsfield. Após cometer o crime suas ideias de agir de forma errônea não cessou, está apenas num momento de pausa planejando algo novo. Nesse período ele tem um objetivo: ver o detitive que investigou o seu caso se matar. Isso não será fácil, mas com sua mente psicótica e sangue frio será uma das motivações de atingir o seu objetivo. Cartas, sites de bate-papo e jogos de manipulação será uma das armas de Brady. Ele é um homem mais velho, com uma mãe alcóolatra e um passado sombrio.

A relação entre Brady e Bill é muito bem construída ao longo do livro. A alternância de pontos de vista narrativos no texto (cada capítulo é narrado por um dos dois personagens), faz com que a trama vire um alucinante jogo de gato e rato que prende o leitor e traz um excelente clima para o suspense policial se desenvolver. Outro ponto positivo foi a construção de Brady. King é famoso por adoar trabalhar bem o passado dos personagens para tentar justificar suas ações no tempo presente da história e nesse livro, especificamente para esse personagem, ele fez com maestria.

No momento que o leitor começa a ler “Mr. Mercedes”, ele torna-se apenas em um observador. Não há mistério para quem foi o responsável do ato criminoso, mas é exposto para todos verem. Acompanhamos, então, essa perseguição de gato e rato no camarote. Isso despertou em mim várias emoções, uma delas: aflição. Esse sentimento me acompanhou em todos os momentos. Desde as vivências dos personagens e conflitos que ali passam até os pensamentos doentios de Brady. É incrível como o autor trouxa na ficção algo tão real. Sem dúvidas que esse é um tipo de situação que poderia acontecer em nossos dias, ou até mesmo pior. Porém lendo, acompanhando suas ações sem poder fazer nada, nutrindo em mim um sentimento de impotência, mexeu muito comigo.

King veio com esse livro para mostrar que ele é um escritor multifacetado, capaz de fazer romance policial com a mesma maestria com que escreve em outros gêneros. Todos os principais elementos de histórias desse gênero estão ali e são trabalhadas de forma clássica, a trazer uma boa evolução da história.

O livro é separado em partes com títulos e não há capítulos, mas uma sequência de fatos numerados. Uma experiência peculiar que tive, mas não influenciou no desenvolvimento da trama e leitura. A escrita de King é excepcional desde os pequenos detalhes que talvez pensassem ser desnecessários, mas lá na frente vemos que é tão importante quanto o desfecho da trama. Os personagens bem construídos e conseguimos nos identificar – exceto Brady. Uma narrativa fluida e ágil fez com que não parece de ler do momento que comecei. Várias histórias dos personagens são expostas, até mesmo de Brady. King consegue nos mostrar a raíz de como tudo começou, mas descobrimos apenas no decorrer das sequências, o que foi importante para o leitor tirar suas conclusões e imaginar de onde saiu tanta perversidade, frieza e ânsia de ver as pessoas mortas.

Sem dúvidas recomendo muito a leitura para os fãs do autor e para quem quer ler um bom thriller policial. King em sua melhor forma.

Um livro eletrizante, para os fãs thriller policias, “Mr. Mercedes” é mais do que recomendado. Escrita, diálogos e conflitos construídos com esmero e desenvolvido com tamanha genialidade, por alguém renomado e com o posto de mestre do horror.

                                                                     

Onde comprar?


Nenhum comentário:

Postar um comentário