sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Johnny Depp e Animais Fantásticos

A série Harry Potter ganha, no dia 17 de novembro, um novo capítulo de sua saga. A estreia de Animais Fantásticos e Onde Habitam contará a história de Newt Scamander, um famoso magizoologista que viajou o mundo catalogando as criaturas mágicas e reunindo as informações no livro que dá nome ao filme. A história se passa setenta anos antes dos acontecimentos dos sete livros e oito filmes de Harry Potter e, ao que tudo indica, focará na ascensão de Grindelwald ao poder.


Há poucos dias, um boato que mais tarde foi confirmado pela Warner Bros. dava conta de que o ator Johnny Depp (Jack Sparrow, série Piratas do Caribe) integraria o elenco da pentalogia, tendo uma participação mínima no primeiro filme e uma como "co-protagonista" ao lado de Eddie Redmayne (Stephen Hawking, A teoria de tudo - 2014) na sequência. Recentemente, o ator esteve envolvido em uma denúncia de agressão à mulher. Vídeos, fotos e depoimentos corroboram para confirmar a ação.

Desde que o nome de Depp veio à tona no mundo mágico, os potterianos questionam as razões de tal escolha. Seria correto compactuar com um agressor? Seria correto sabotar a carreira dele por conta dessa atitude infeliz?

Afinal, tem como separar a vida pessoal e profissional em qualquer que seja o caso?


Há quem diga que Depp não trará nada de novo aos filmes, pois suas interpretações mais recentes trazem muitas semelhanças entre si. Dentre elas, a excentricidade. Veremos um bruxo Sparrow ou um alucinado tirando uma lebre do chapéu? Se levarmos em conta apenas o lado profissional, conseguimos ver coisas boas que ele pode trazer aos filmes? Mesmo assim, elas são suficientes para que desprezemos o "homem Depp" fora das telas?

Aceitaríamos, por exemplo, que um profissional reconhecidamente pedófilo atendesse um filho nosso mesmo com os melhores diplomas possíveis? Que um veterinário cuidasse de nosso bicho de estimação mesmo após denúncia de maus tratos? Qual mensagem transmitimos ao aceitar um agressor de mulheres num filme voltado ao público juvenil?

Vale lembrar um caso relativamente recente de uma atriz que ressurgiu das cinzas após ver sua imagem exposta continuamente ao público por roubo. No caso, cleptomania. Winona Ryder teve uma atuação por muitos considerada brilhante na série Stranger Things, da Netflix.

É uma linha bem tênue entre pensar sobre o que é certo e o que é errado. Difícil saber até onde J. K. Rowling, roteirista dos filmes, tem poder de escolha sobre a contratação dos atores. Para quem acompanha a vida da autora sabe que ela mesma já fora vítima de agressão por parte de seu primeiro marido quando ela morava em Portugal, sendo este o pai de Jessica, sua primeira filha.

Talvez chegue um dia em que Depp encontre sua redenção. Por ora, é preciso entender que no mundo em que vivemos a violência contra a mulher - e mesmo contra qualquer outro ser humano, animal e natureza - jamais será aceita.

Nenhum comentário:

Postar um comentário